Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]


 Censura requi(e)ntada

 O glosado mas preocupante caso ocorrido a pretexto do Carnaval de Torres Vedras espoletou – com fundado vigor – a questão da eventual sobrevivência da censura até o novel Século XXI. Para os que parecem estar a descobrir perigosamente inusitado fascínio em torno dessa figura (vulgo, Salazar) que terá sido o único déspota a vencer uma eleição depois de morto num regime democrático (vide caso d’”O Melhor Português de Sempre”) – a merecer até ulteriores honras de uma série sobre a sua alegada vida amorosa -  importará contextualizar o que será isso de CENSURA, sob pena de alguém confundi-la com uma qualquer variante da gripe.

No essencial, faz-se notar que a censura em Portugal foi um dos elementos vincadamente condicionantes da cultura nacional, ao longo de quase toda a sua história. Desde cedo o país foi sujeito a leis que limitavam a liberdade de expressão. Primeiro, em resultado da influência da Igreja Católica, desde o tempo de D. Fernando, que terá oficiado ao Papa Gregório XI para que instituísse a Censura episcopal (ou censura do Ordinário da Diocese). O poder civil passou, mais tarde, a regulamentar também a publicação de textos escritos. Na memória dos portugueses está ainda presente a política do regime do Estado Novo que institucionalizou um estrito controlo dos meios de comunicação, recorrendo, para este efeito, à censura prévia dos jornais e à apreensão sistemática de livros. De facto, cada regime político teve sempre o cuidado de legislar em relação à liberdade de imprensa - na maior parte dos casos, restringindo-a.

Em cinco séculos de história da imprensa portuguesa, atente-se, quatro (!) foram dominados pela censura. No entanto, a censura entrou também em outros domínios, como no teatro (desde Gil Vicente), na rádio, na televisão e no cinema.
Ao longo da história portuguesa foram muitas as formas de perseguição a intelectuais: a prisão e a morte foram também frequentemente os castigos de quem ousava expressar aquilo que pensava, contrariando o discurso oficial do Estado.

Resumidamente, a Censura consistirá em negar determinada informação dirigida ao povo, reprimindo actos de manifestação, tentativas de “acabar” com o estado e pondo em causa a ideologia do estado; por isso, tudo o que era publicado, era previamente inspeccionado pela censura portuguesa. As informações eram examinadas da seguinte maneira:  

¾     Aprovado”: a informação não continha elementos que poderiam por em causa o estado.

¾   Aprovado mas com cortes”: a informação era editada, mas de uma maneira chocante. Cortavam-se as palavras ou frases acusativas e alguns assuntos ficavam sem esclarecimento. Eram publicadas ainda com as marcas dos cortes nas impressões, chegando por vezes a aparecer uma palavra como frase, isto confundia o povo.

¾     Não aprovado”: a informação não era publicada, porque continha informação que poderia pôr em causa o Estado (tais como criticar a sua funcionalidade) sendo impossível publicar o que quer que seja.

Actualmente, experimentamos novos e refinados expedientes de censura. Cada vez mais, os detentores de cargos públicos aperfeiçoam as suas estratégias de “depuração”. Há quem defenda a liberdade de expressão, traduzida numa vigilância crítica sistemática, quando está na oposição como logo de seguida a interprete como uma manifestação de má índole, própria de gente mal formada, quando passa para o Poder.

Há uns tempos, alguém me dizia: ”você escreveu uma carta ao Pai Natal que arrumou com os outros. Mas desde então já não é a mesma pessoa. Mas não é você não tem culpa. Culpa tem que aceita publicar os seus artigos…” (SIC)

O meu orgulho é ter percebido, há muito, que foram “eles”, de modo ostensivamente irrefragável, a mudar. Há quem saiba tomar o Poder. Mas são muitos os que (já) se deixa(ra)m apanhar por ele.

Não há pachorra para estes nescios recadistas!

José Manuel Alho

Autoria e outros dados (tags, etc)



Mais sobre mim

foto do autor


Google Tradutor


Repto


No meio da rua...


Alhadas passadas

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Educação

Outros BLOGS

Recursos